quinta-feira, 12 de março de 2015

OAB em São Paulo declara apoio às manifestações ‘contra mazelas do País’

LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA DA OAB EM SÃO PAULO

“A Secional Paulista da Ordem dos Advogados do Brasil, em face das manifestações anunciadas para ocorrer nos próximos dias em todo o país, vem reiterar que a liberdade de manifestação, que deve sempre exercida de forma pacífica, sem violência, é garantida pela Constituição do Brasil e é inerente ao Estado Democrático de Direito, sendo direito do cidadão externar suas indignações, notadamente contra as mazelas de nosso país, devendo ser respeitado por todos, especialmente pelas autoridades públicas.

A OAB SP se solidariza com as manifestações contra as práticas inaceitáveis de corrupção, conclamando as autoridades, especialmente o Poder Judiciário a, com independência e isenção, assegurados os preceitos constitucionais do direito à ampla defesa, presunção de inocência e o devido processo legal, da celeridade processual e da transparência, punir, nos termos da lei, os que cometeram esse crime tão odioso e que tanto prejuízo tem trazido para o desenvolvimento social e econômico de nosso país.

Marcos da Costa

Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Secional São Paulo
São Paulo, 12 março de 2015″


Igual a Rabo de Burro, para trás e para baixo!



Apenas 7% dos brasileiros com direito ao voto consideram bom ou ótimo o governo de Dilma Rousseff, constatou a pesquisa monitorada diariamente pelo Palácio do Planalto. Nunca antes neste planeta um governante eleito nas urnas despencou para um índice tão desastroso ainda nos primeiros 100 dias de mandato. É mais que um recorde mundial de impopularidade. É uma marca de tal forma impressionante que só a própria campeã parece capaz de superá-la.

Cinco observações comprovam que os 7% de Dilma equivalem a completar a prova dos 100 metros rasos em 7 segundos:

1. Pela primeira vez desde a invenção da pesquisa de popularidade, a taxa de aprovação do chefe de um governo em seu começo coube num algarismo só.

2. Para descer a um dígito, Dilma teve de reduzir a taxa de bom ou ótimo em 40 pontos percentuais num período inferior a quatro meses.

3. A presidente reeleita no fim de outubro com mais de 54 milhões de votos não iria além de 10 milhões neste começo de março.

4. Os 51 milhões que votaram contra o PT no segundo turno vão chegando a 70 milhões.

5. Às vésperas do impeachment, Fernando Collor desceu a 15% de bom ou ótimo ─ mais que o dobro da marca da nova recordista.

Se o regime fosse parlamentarista, o poste fabricado por Lula teria caído fora do Planalto duas semanas depois da posse. Se o Código do Consumidor fosse incorporado à legislação eleitoral, milhões de iludidos pela propaganda enganosa estariam exigindo aos berros a devolução do voto desperdiçado num produto de quinta categoria. Como nestes trêfegos trópicos vigora o presidencialismo imperial, Dilma e o PT sonham com mais quatro anos de tapeação.

Apavorados com o sucesso do programa Minha Cara, Minha Vaia, insones com as manifestações de rua que ampliarão a campanha pelo impeachment ou pela renúncia da presidente, os farsantes no poder vão decerto fingir que esses 7% são consequência da crise econômica internacional. Nada a ver com a incompetência sem precedentes, nem com a roubalheira monumental do Petrolão. É dura a vida de quem enfrenta a elite golpista.

Os jornalistas estatizados juraram até ontem que toda demonstração de hostilidade a Dilma é coisa de gente rica, que usa panela francesa, tem a barriga cheia e odeia a presença de ex-miseráveis em aeroportos. Segundo o coro dos colunistas contentes, o que há é uma guerra movida pelos endinheirados contra os desvalidos e os humildes, que continuam apaixonados por Lula e sua afilhada.

Se é assim, a imprensa oficial logo enxergará o lado bom do recorde desmoralizante: visto de perto, é uma prova que o lulopetismo cumpriu a promessa de acabar com os pobres. Pelos números da pesquisa, entre os brasileiros que votam restam só 7%.
* Texto de Augusto Nunes

Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores


Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais braços dados ou não
Nas escolas nas ruas, campos, construções
Caminhando e cantando e seguindo a canção

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer

Pelos campos há fome em grandes plantações
Pelas ruas marchando indecisos cordões
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão
E acreditam nas flores vencendo o canhão

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Há soldados armados, amados ou não
Quase todos perdidos de armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição
De morrer pela pátria e viver sem razão

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Nas escolas, nas ruas, campos, construções
Somos todos soldados, armados ou não
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Somos todos iguais braços dados ou não
Os amores na mente, as flores no chão
A certeza na frente, a história na mão
Caminhando e cantando e seguindo a canção
Aprendendo e ensinando uma nova lição

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Vem, vamos embora, que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

Link: http://www.vagalume.com.br/geraldo-vandre/pra-nao-dizer-que-nao-falei-das-flores.html#ixzz3UDZ6pDW4

Não Ficará pedra Sobre Pedra!



Editorial do Estadão



Dilma e o PT vivem seu inferno astral. Enquanto em Brasília, em depoimento à CPI da Petrobrás, o delator Pedro Barusco desarmava a artimanha petista de transferir a responsabilidade pela corrupção na estatal para o governo de Fernando Henrique Cardoso, em São Paulo funcionários dos estandes do 21º Salão da Construção, no Anhembi – faxineiros, marceneiros, recepcionistas, assistentes administrativos, etc. – recebiam com estrepitosa vaia a presidente Dilma Rousseff, que antes da abertura do pavilhão de exposições ao público tentava percorrer os estandes da mostra e viu-se constrangida a mudar de ideia.

O episódio na Câmara frustrou as expectativas petistas de trazer a oposição tucana para o centro do escândalo da Petrobrás e revelou a medida do isolamento a que os companheiros de Lula no Congresso Nacional foram relegados pelos próprios “aliados”. Quando vazou o depoimento do ex-gerente da petroleira, prestado à força-tarefa da Operação Lava Jato, em que admitiu que desde 1997 – durante o governo FHC, portanto – recebera propina das empreiteiras, o PT animou-se com a oportunidade de colocar em prática a velha tática: quando não se consegue sair do buraco, atrai-se o inimigo para dentro dele. Barusco manteve-se coerente com seu depoimento anterior, garantindo que em 1997 agiu por conta própria e que o amplo esquema do propinoduto só foi criado a partir do início do governo Lula, “em 2003 ou 2004″.

Ninguém da “base aliada” se deu ao trabalho de dar uma ajuda aos petistas, que chegaram quase à histeria na patética tentativa de convencer Barusco a incriminar o governo FHC. Foi mais uma demonstração do alto preço que o governo Dilma e o PT estão pagando por terem imaginado que, respaldados pelo resultado das eleições presidenciais, poderiam tratar os partidos aliados como subalternos a seu serviço.

As vaias do Anhembi, por sua vez, desmontaram o argumento petista de que a oposição a Dilma Rousseff se restringe à “burguesia” e à “classe média alta” – aos brasileiros ricos, enfim. A visita de Dilma ao Salão da Construção foi planejada com cuidado, exatamente para evitar a exposição da presidente a um público hostil em território francamente antipetista. Para evitar contato com os visitantes, agendou-se a visita presidencial para antes da abertura do pavilhão ao público. Mas não contavam os especialistas do Planalto com a reação das centenas de funcionários das empresas expositoras que já se encontravam no recinto. O resultado foi que Dilma permaneceu apenas cerca de cinco minutos no local e foi levada rapidamente de volta ao carro oficial, que a levou para o auditório onde se realizaria, apenas para convidados, a solenidade de abertura oficial do evento. E depois de ter sido vaiada pelos empregados no pavilhão, a presidente foi elogiada no auditório pelos patrões que se dispuseram a fazer declarações aos jornalistas.

No discurso de meia hora que fez diante de um público que ocupava apenas metade da plateia, Dilma fez uma pequena concessão à vida real, ao admitir que “é verdade que o Brasil passa por um momento difícil”, mas voltou rapidamente a sua visão onírica do País para garantir que “nem de longe vivemos uma crise das dimensões que alguns estão dizendo”. E não se estendeu sobre a gênese da crise, preferindo atribuí-la, como de hábito, a circunstâncias “conjunturais”.

O episódio do Anhembi deixou alarmada a equipe que acompanhava Dilma. O ministro Thomas Traumann, chefe da Secretaria de Comunicação Social, não disfarçou a irritação ao afirmar que Dilma tinha caído “numa armadilha”.

Se armadilha houve, a culpa é dos estrategistas do governo e do PT, entre eles Lula e o marqueteiro João Santana, que recomendaram à presidente que ativasse a agenda de compromissos fora do palácio e de Brasília, para “entrar em contato” com o povo. Pelo jeito esse contato não voltará a ser feito tão cedo em São Paulo. Na reunião convocada às pressas para aquela noite em Brasília, com a presença de Lula, chegou-se à conclusão de que o episódio do Anhembi foi um fenômeno “paulista”. É o novo rótulo inventado para desqualificar as manifestações antigoverno e antipetistas, já que “burgueses” e “classe média alta” não combinam com as fotos do Anhembi fartamente estampadas na mídia.


12/03/2015

Em Breve, em todo o Brasil!!!!


Quem não tem fã, contrata!!!




É o caso de Dilma Rousseff, cujo governo é considerado “bom ou ótimo” por menos de 10% da população brasileira. Nas medições diárias do Palácio do Planalto, a avaliação já caiu para a marca de 1 dígito nesta semana, segundo Merval Pereira, jogando no chão a popularidade que havia despencado de 42% em dezembro de 2014 para 23% em fevereiro, segundo o Datafolha.

Dilma, agora, tem um índice menor que o do ex-presidente Fernando Collor seis meses antes de a Câmara dos Deputados autorizar o processo de impeachment, no final do segundo ano de mandato. Collor chegou a 15% de avaliação positiva naquela ocasião, depois de ter tido a expectativa inicial de 71% da população de que faria um governo bom ou ótimo.

Com apenas 1 dígito, Dilma teme mais do que nunca as vaias, especialmente após recebê-las no Anhembi, em São Paulo, de manifestantes de todas as classes sociais que o PT tentou rotular de “golpistas burgueses”. “Essa bruxa já foi embora?”, perguntou uma faxineira, antes de explicar à Folha o motivo de vaiar a presidente: “É simples: estou cansada de trabalhar e não ter nada. Tudo em que ela mete a mão dá errado”. Um vendedor de refrigerantes completou: “Eu moro em Mogi e lá todo mundo aderiu ao panelaço (durante discurso de Dilma na TV no domingo)”.

Acuado, o governo “não descarta a possibilidade de repensar” a viagem a Belo Horizonte, marcada para a sexta-feira, porque, segundo a coluna Radar, o evento é ao ar livre e isso comporta riscos obrigatoriamente maiores.

Maiores, por exemplo, do que os riscos da visita desta quarta ao Acre, quando o PT convocou funcionários públicos e cerca de 250 militantes para aplaudir Dilma no aeroporto e evitar que os manifestantes chegassem perto dela. Para isso, contou com o apoio da PM, que montou barreiras nas vias de acesso, dificultou a chegada ao saguão e proibiu a entrada de panelas.

“Militantes nossos tiveram os carros revistados. Fomos coibidos pela máquina do Estado”, afirmou o organizador do protesto contra a presidente, Breno Carrillo, explicando à Folha o cancelamento do ato. As oito pessoas que não desistiram e conseguiram passar com apitos e cartazes foram separados dos militantes petistas por barreiras da PM.

José Eduardo Cardozo, o advogado administrativo de Dilma disfarçado de ministro da Justiça, pediu aos manifestantes que sairão às ruas no dia 15 de março em todo o Brasil que “não fizessem ação de ódio, de raiva” - assim como fazem o MST e o MTST sem que Cardozo nunca tenha feito apelo semelhante – e implorou: “Vamos nos tolerar”.

De fato, o Brasil não tolera mais o governo Dilma. E manifestar essa saudável intolerância, sem se igualar ao PT na forma, nunca será um ato de ódio ou raiva, mas, sim, de amor ao país.

Não há dinheiro que compre o nosso grito.